Introdução a sistemática do nosso Blog de teologia e reino de Deus

Nossa intenção através desse blog, e trazer alguns esclarecimentos em relação aos textos bíblicos, quebrar alguns paradigmas de ensinamentos, muitas vezes maquiados por uma “falsa” base bíblica, porém ressaltando que a intenção não é entrar em dogmas, doutrinas e formalidades religiosas, e sim trabalhar com assuntos realmente relevante para o crescimento e amadurecimento espiritual daqueles que desejam de alguma forma se aprofundar no conhecimento de Deus e Sua palavra.

Iremos começar esclarecendo a temática que vamos trabalhar, e as áreas que vamos abordar que intencionalmente ou propositalmente ficam esquecidas ou mesmo, não são conhecidas em nossos centros de ensino.
Às vezes intitulamos “conhecedores da palavra” pessoas que conseguem citar diversidades de versículos ou ordem de livros; quantas vezes já ouvimos a famosa frase “vamos ler a bíblia toda” ou “quantos capítulos da bíblia você lê por dia?”, conhecimento da palavra não se faz com quantidade de leitura e sim com qualidade da mesma. Muitas vezes ouvimos que as faculdades e cursos de teologia não são importantes, que pelo contrário, são centros de hereges; eu mesmo já ouvi isso, e digo com muita certeza: uma das decisões mais importantes que tomei foi ingressar em uma faculdade de teologia, e posso falar com propriedade que quanto mais eu conheço mais tenho vontade de conhecer e me achegar a Deus.

fides quaerens intellectum”  – fé em busca de compreensão
– Anselmo de Cantuária

No estudo da palavra a utilização do hebraico “Língua original do A.T.” ou o Grego, “Língua original do N.T”, para muitos não é relevante, pois acreditam que o fato da palavra ter sido traduzida, o real significado dela não mais nos interessa e temos que aceitar a nova tradução como original, e por isso muitas vezes ao ouvirmos alguém citar algo em referência as mesmas o taxamos de soberbo entre outras coisas; infelizmente com esse pensamento nos privamos de ótimas ferramentas que nos possibilitariam ampliarmos conhecimento e termos uma revelação daquilo que Deus realmente quis deixar.

Ao lermos a bíblia em sua ordem natural, perdemos a oportunidade de conhecer a história como ela realmente aconteceu, com toda sua estrutura, grandeza e significados, e ficamos presos apenas a histórias de personagens; a bíblia não está organizada cronologicamente, portando quando a lemos na sua ordem natural, não conseguimos absorver a linha de tempo que nos é exposta.
Para entendermos a bíblia e compreendermos melhor todas as maravilhas e revelações que ela nos traz, sobre a história do povo de Israel e a forma como o Deus foi Se revelando a eles, teremos que organizar e estudar a história de uma forma sistemática.

Nosso estudo começará com a cronologia do antigo testamento e depois trabalharemos com o novo testamento até os dias atuais.

Existem várias formas de estudar, iremos trabalhar em nosso blog especificamente com três conteúdos:

1 – Estudo sistemático e cronológico:

Estudaremos a linha de tempo cronológica de Israel, acompanhando o gráfico simples abaixo:

Gráfico simples AT e NT - Logos do Reino

Começaremos da cronologia dos acontecimentos, depois trabalharemos do nascimento de Jesus até os dias de hoje, passaremos pela igreja Primitiva, império Romano, Romanização da igreja, Reforma protestante entre outras.
Ao passarmos por essa parte, esclareceremos muitos fatores e entenderemos melhor as histórias, seu tempo, as profecias, os profetas e seus papeis, pois muitas coisas que Deus fala Ele faz comparações da história vivida pelo povo, e se não conhecermos e entendermos essa história, suas particularidades e seu tempo, não conseguiremos alcançar a essência da mensagem.

2 – Sermões e textos dos originais

Estudaremos alguns sermões, suas aplicações, onde os abordaremos na sua linguagem original no hebraico e grego, e veremos que algumas mensagens são mais profundas do que imaginamos.

Exemplo:
Adoração ( Abîdâ ) Serviço, Trabalho, Ritual , Adoração: Existe alguns significados importantes, dentro desse contexto, existe um ritual de trabalho ou serviço, o termo (polhãn – serviço, adoração) “Fender, dividir em dois”,a partir daí surge o sentido de cultivar a terra; (trabalhar arduamente)ou cultivar a adoração a uma divindade.

Também usado em referência ao trabalho feito na reconstrução do templo de Jerusalém, assim como as atividades em geral de sacerdotes e levitas, as quais, em associação com o ritual e a adoração espiritual, constituem o serviço de Deus.

Outras raízes: “Trabalhar, atarefar-se; lavrar, cultivar, servir, estar à disposição, ser súdito, prestar culto, dependente, escravo, ser servo.”

Analisando os textos acima podemos ver a riqueza da essência da palavra adoração, e entendemos que quanto mais nos aprofundamos na raiz da palavra entendemos que ela pode mudar consideravelmente, dependendo do contexto na qual ela se situa por isso a importância de examinarmos bem as escrituras.

E assim tratamos os termos em Grego, muitas palavras escritas tem um significado bem diferente daquele que nos limitamos a aprender, pois não examinamos no contexto a luz de uma interpretação com base mais sólida no idioma que ela foi escrita, um exemplo bem simples é o famoso “Tempo” como descrevemos abaixo.

“Esta palavra grega exemplifica a riqueza da língua grega em comparação com a pobreza das línguas modernas incluindo o nosso português, só temos um vocábulo para “tempo”. Já no grego existem dois significados: Chronos e kairos. Chronos é o tempo do relógio, que se pode medir como aparece nas palavras “cronologia e cronômetro”. Kairos não tem nada a ver com esse tempo quantitativo do relógio, mais se refere ao tempo qualitativo da ocasião, o tempo certo. Quando se fala em Kairos há a indicação que algo aconteceu tornando possíveis ou impossíveis certas ações, nesse sentido Paulo e a igreja primitiva fala sobre a vinda de Cristo, ele indica que seu aparecimento foi possível, pois uma constelação providencial de fatores onde o tempo estava maduro para assim recebê-lo”

3. Estudos sobre temas específicos
Ex: Sarcedotes

Ministros oficiais ou líderes religiosos da nação de Israel que representavam o povo diante de Deus e conduziam vários rituais para a expiação dos seus pecados.

Importante frisar que a vontade de Deus sempre foi que Israel toda fosse uma nação de sacerdotes “E vós me sereis um reino sacerdotal e o povo santo. Êx 19:6” os sacerdotes tinham diversas responsabilidades, dentre elas a mais importante era a mediação entre o povo pecador e o Deus santo.

Sempre que estudamos um assunto do A.T, podemos de alguma forma trazer a mensagem a uma nova realidade liga a Cristo, visto que a antiga aliança era apenas sombras das coisas futuras que haviam de vir.

Os sacerdotes do A.T eram tipos de Cristo” temos um sumo sacerdote tal, que está assentado nos céus à destra do trono da majestade, Heb 8:1” que operou a última propiciação pelos pecados do povo, resgatando e nos tornando assim uma nação de sacerdotes, “Vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo. 1 Pedro 2:5”, Agora sobre nós é apresentado uma nova realidade, o Sacerdócio Universal de Todos os Crentes…
A idéia principal do estudos sobre temas específicos, seria sempre trabalharmos um estudo detalhado em cima de um tema pré estabelecido, então buscamos focar no assunto principal, trabalhar o contexto, o fato histórico e profético, analisando de forma profunda, buscar todas as ligações possíveis com outros textos, ou seja examinar o máximo possível o que aquele assunto tem a oferecer, etc…

Conclusão:

Essa foi uma pincelada do que iremos compartilhar através desse blog, iremos aprender juntos a ampliarmos nossa visão para a riqueza de significados e seus sentidos dentro de um texto bíblico; então você está sendo convidado a participar dessas leituras que nos ajudarão a aprofundarmos em conhecimento, através da disciplina de estudo, leitura e oração; começamos aqui uma caminhada de aprendizado, estarei sugerindo algumas literaturas e dicionários, e juntos buscaremos as riquezas guardadas dentro das Escrituras Sagradas. “Buscai e Encontrareis”.

Por: Antônio Carlos F. Júnior e Claudete Dias

Bibliografia

Harris, R. Laird; Archer, Gleason L.; Waltke, Bruce K. – Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento; 1ª edição; São Paulo; Editora Vida Nova; 1998

Schokel, Luis Alonso; Dicionário Bíblico Hebraico-Português; 4ª edição; São Paulo; Editora Paulus; 2010

Tillich, Paul; História do Pensamento Cristão; 4ª edição; São Paulo; Editora Aste; 2007
Youngblood, Ronald F.,Bruce, F. F., Harrison, R. K.; Dicionário Ilustrado da Bíblia; 1ª edição; São Paulo; Editora Vida Nova; 2004