Eu sou o que sou, quem é Deus?

Provavelmente o texto bíblico de Êxodo 3:14 em que Deus responde a Moisés, “EU SOU me enviou a vós” acaba por gerar algumas dúvidas e centenas de interpretações.
Gostaria de fazer uma pequena exegese e iluminar o referido texto através dos escritos e significados originais contidos nele. De forma alguma quero afirmar que seja essa a verdade absoluta ou completa, porém, através de alguns materiais importantes de pesquisa trazer um entendimento um pouco mais próximo do que realmente está escrito.

Vamos analisar o texto em duas versões diferentes

A versão abaixo, mostra-nos o texto como estamos acostumados a ler e compreender:
Moisés questionou a Deus sobre como chegaria até Faraó e o que diria quando fosse perguntado sobre quem o teria enviado para requerer a libertação do povo. O texto nos mostra que a resposta que Moisés obteve de Deus foi “ EU SOU O QUE SOU”.

Êxodo 3:14 E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós.

Muitas são as interpretações acerca do significado do texto acima e a grande maioria se pauta na literalidade do verbo SER. Mas, ao analisarmos a cultura hebraica e o texto da torá, veremos que existe uma pequena diferença na construção da conjugação do verbo que certamente vai alterar todo o significado do texto.

Abaixo vou utilizar o mesmo texto, porém da Torá Viva e então vamos analisá-lo de forma a compreender o significado implícito:
Êxodo 3:14 Eu Serei quem Eu Serei, replicou Deus a Moisés, Deus então explicou: Isto é o que tu deves dizer aos israelitas: Eu serei enviou-me a vocês.
(transliteração)Eheyeh asher Eheyeh, me enviou a vós.

No hebraico o verbo Ser/Estar não é pronunciado no presente por questões religiosas, apenas Deus pode pronunciar EU SOU, isso devido ao verbo Ser/Estar conter o significado mais próximo do que seria o nome de Deus. O Israelense quando quer dizer “eu estou bem” ele diz “eu bem” a palavra estou fica subentendida (oculta) na frase. Ficaria assim: “ANI TOV” traduzindo literalmente “EU BEM” ou “EU BOM” Traduzindo corretamente “EU ESTOU BEM” ou “EU SOU BOM”

O nome de Deus é um conjunto de 4 letras (Tetragrama) que expressam todas as formas e tempos do verbo Ser, como Deus disse para Moisés; “Eu sou aquilo quer serei. ”
O verbo EHEYEH aplicado no texto em questão não nos diz que Deus simplesmente É, mas sim que Ele será ou está sendo. Dessa forma a interpretação do texto em questão passa por uma total transformação nesta nova perspectiva exegética.
Através dessa compreensão podemos afirmar que Deus É, ou está sendo, porém, seu Ser ainda não está concluído, como algo que já tenha alcançado seu objetivo final, mas antes está sendo estabelecido.

eu sou o que sou logos do reino

Pensando sobre uma melhor tradução

Uma melhor tradução para o texto, EU SOU O QUE SOU seria: O EU SEREI, aquele que ainda não tem um nome, está te enviando.
Segundo o pensamento oriental, jamais um nome era considerado como um simples vocábulo, mas sim, como expressão da natureza da coisa por ele designada. Saber o nome de uma pessoa era ter poder sobre ela, os nomes dos diversos deuses eram utilizados nos encantamentos para se exercer poder sobre eles, pois normalmente o nome da divindade estava ligado à ação/poder que a mesma exercia. Então, ao proclamar o seu nome a pessoa estava automaticamente clamando pela manifestação da ação atribuída àquele deus.

Quando Deus Se auto intitula como o EU SEREI ou aquele que está SENDO, podemos interpretar a ideia que Deus não queria que Moisés tivesse em mente um nome que de alguma forma poderia conceituar quem Deus era, pois nesse caso “o nome” vale por toda a manifestação de Deus em sua relação com o seu povo/pessoa. O Eterno conhecendo o coração do homem se auto denomina como aquele que está sendo.

Então você pode se perguntar, o que então Ele está sendo?

A construção de um Nome ou de quem Deus é, está ligado ao que Ele está realizando na pessoa/comunidade/Nação naquele momento. O fato de Deus não apresentar um nome especifico para Moisés logo de início nos remete a ideia que o DEUS vivo não pode ter um nome porque Ele sempre está sendo, agindo, sendo construído. O que Ele é está intimamente ligado aquilo que ele está fazendo ou manifestando.

Esse Deus, que se manifesta na história, não pode ser representado por nenhuma imagem seja ela de pedra ou madeira, nem mesmo pela imagem do som, ou seja, um nome, porque Ele sempre está sendo construído e Se revelando a nós. No caso especifico de Moisés e sua ação libertadora do Egito, era como se Deus desse um cheque em branco para Moisés e dissesse: olha, eu sou a manifestação daquilo que você mais precisa.O meu nome não está definido, está em branco, você vai compreender a necessidade do povo e assim eu serei Aquele que supre e se manifesta de acordo com a sua necessidade, Eu serei construído para você e para a nação de acordo com o que vocês precisam. Não quero que me conceituem, pois ao fazerem isso a mente de vocês ficará limitada. Eu serei ou estou sendo a resposta para sua necessidade

Eu Sou o que Sou ou Serei o que serei.

Um Deus sem nome – Um Deus da história (Eu sou o Deus de teu pai, Abraão, Isaque e Jacó), Eu sou o Deus que realizou e atuou na história deles, eu não tenho um nome ainda para você, Eu ainda vou ter, pois ainda estou construindo. Eu Serei.

Israel tinha uma mentalidade muito forte de um Deus libertador.  Por se tratar de uma pequena nação que vivia rodeada de nações mais poderosas e que sempre estava sujeita a servidão, esperava que a manifestação de Deus fosse através de libertação. Por isso, que muito ouvimos no A.T sobre o Senhor dos exércitos.

Jeremias 31:11 Porque o Senhor resgatou a Jacó, e o livrou da mão do que era mais forte do que ele. 

Salmos 46:7 O SENHOR dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio.

Eu sou Aquele que Serei / Farei / Realizarei

Não podemos pensar apenas de forma individualizada. Ele também se manifesta de forma comunitária. Ele se manifesta a um para que Sua Glória alcance a todos.
Não se responde quem Deus É através de ideias preconcebidas, mas sim de acordo com sua ação direta em relação ao homem. Dessa forma, resguardamos a transcendência de Deus, que antes de se manifestar em/a nós, e assim podemos falar sobre que Ele é, Ele já Era, suas ações simplesmente refletem aquilo que ele É.

Conclusão

Apesar da ideia de Deus não ter um nome especifico, para que com isso Ele não seja conceituado e assim limitado, para nós, o nome geral de Deus é subdividido em muitos nomes. Esses muitos nomes expressam o multiforme Ser de Deus. Então, no sentido mais geral da palavra, o nome de Deus é Sua auto revelação. É um designativo dele, não como Ele existe nas profundezas do Seu Ser Divino, mas como Ele se revela especialmente em Suas relações com o homem.

Deus é O Incompreensível, infinitamente exaltado acima de tudo o que é temporal. Mas, em Seus nomes, Ele desce a tudo que é finito e se assemelha ao homem para que o homem consiga, de alguma forma, compreender quem Ele é.
Por um lado, não lhe podemos dar nome e, por outro lado, Ele tem muitos nomes.

Aplicação Prática.

Em resumo podemos concluir que O EU SEREI é a resposta imediata e direta para o homem. Deus é tão grande e poderoso, suas manifestações são tão diversas e maravilhosas, que um nome não pode conter tamanha beleza e expressão. Ele nunca vai estar totalmente construído em nossas mentes e corações, pois a sua transcendência e imanência são infinitamente insondáveis. Suas manifestações em nossas vidas e comunidades vão estar sempre relacionadas ao que necessitamos d’Ele, e Ele será sempre aquilo que suas ações representarem.

Isaias 43:13 Ainda antes que houvesse dia, eu sou; e ninguém há que possa fazer escapar das minhas mãos; agindo eu, quem o impedirá?

Bibliografia

Teologia Sistemática/ Louis Berkhof; traduzido por Odayr Olivetti. – 4ª Ed. Revisada_São Paulo: Cultura Cristã, 2012.

Bíblia. A.T Pentateuco.
A Torá Viva – Os cinco livros de Moisés e as Haftarot : uma nova tradução baseada em fontes judaicas tradicionais, com comentários, introduções, mapas, tabelas, gravuras, bibliografia e índice remissivo / por Aryeh Kaplan. Tradução por Adolpho Wasserma – S. Paulo :Maayanot, 2000

Harris, R. Laird; Archer, Gleason L.; Waltke, Bruce K. – Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento; 1ª edição; São Paulo; Editora Vida Nova; 1998.

Schokel, Luis Alonso; Dicionário Bíblico Hebraico-Português; 4ª edição; São Paulo; Editora Paulus; 2010

BibleWorks; versão